Sincronizar data e hora

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Olá.
Já falamos sobre isso anteriormente, mas segue um novo conceito da coisa.
Caso queira editar manualmente data e hora do sistema, utilize a síntaxe:

sudo date MMDDhhmm

Onde:

MM = mês (01, 02, 03, etc, representam, Janeiro, Fevereiro, Março, etc)
DD = dia (01, 02, 03, etc)
hh = hora (00, 01, 02, etc)
mm = minuto (00, 01, 02, etc)

Por exemplo, quero ajustar a data e hora para o dia 29 de Setembro, às 12:30hs. O comando seria:

sudo date 09291230

Para maiores informações sobre o date, consulte o manual:

man date

Agora, para uma atualização mais eficaz, podemos sincronizar, via web (requer conexão com a internet, óbviamente).
Para isso, precisamos do ntpdate. Caso não o tenha, basta instalar com:

sudo aptitude install ntpdate

Mas o que é o NTP?

O NTP (Network Time Protocol) é um protocolo para sincronização dos relógios dos computadores. Ele define um jeito para um grupo de computadores conversar entre si e acertar seus relógios, baseados em alguma fonte confiável de tempo. Com o NTP é fácil manter o relógio do computador sempre com a hora certa, com exatidão por vezes melhor que alguns milésimos de segundo.

From: Wikipedia

Mais informações, agora sobre o comando ntpdate, consulte também seu manual:

man ntpdate

Pois bem. Para uma sincronização com o ntpdate, você vai precisar de uma fonte (servidor NTP). Uma boa opção é o br.pool.ntp.org. Ele sorteia algum servidor nacional, especificamente para a nossa região.

O comando apenas pra verificar as fontes seria:

sudo ntpdate -q br.pool.ntp.org


E para atualizar de fato:

sudo ntpdate br.pool.ntp.org


Esse comando pode ser executado de tempos em tempos, manualmente ou você pode automatizar a tarefa, inserindo o mesmo no cron.

Referências: wikipedia, guiadohardware

Gravar DVD Vídeo a partir das pastas VIDEO_TS e AUDIO_TS

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Olá.
Segue mais um bom tutorial do nosso grande amigo colaborador Aloizio Zottarelli.

Muitas vezes baixamos filmes e ao descompactar o arquivo nos deparamos com duas pastas, VIDEO_TS e AUDIO_TS e outros arquivos menos importantes, esses arquivos são o próprio DVD Vídeo, com uma diferença, estão fora do disco. Tenho lido em vários fóruns as dificuldades que encontram para gravar esse tipo de arquivo.
No caso, para gravar DVD Vídeo a partir das pastas VIDEO_TS e AUDIO_TS o procedimento é muito simples, basta convertê-los em uma “imagem.iso” e gravar essa imagem em um DVD-R virgem. Simples, não é mesmo?
Não precisa instalar nenhum programa, as ferramentas que usaremos serão as que estão presente no Brasero, Genisoimage para gerar uma imagem.iso, como ele não tem interface gráfica, usaremos sua extensão no gerenciador de arquivos nautilus. Abra o “Criador de CD e DVD” em: Aplicativos > Acessórios, arraste para dentro dele as duas pastas, VIDEO_TS e AUDIO_TS, a pasta de áudio normalmente é vazia, coloque assim mesmo, certifique-se de que não tenha nenhum disco no gravador de CD/DVD, clique no botão “Escrever no disco”, uma nova janela de diálogo abrirá, clique no botão “Criar imagem” e aguarde o final da operação, o arquivo estará na pasta pessoal com nome “brasero.iso”. Essa operação pode ser feita também com o Brasero em “Projeto de dados”,certifique-se de que não tenha nenhum disco no gravador de CD/DVD, o Brasero irá reconhecer que é para gravar (gerar) uma imagem.iso, clique em gravar e aguarde.
Para verificar se tudo correu bem, clique com botão direito do mouse na imagem.iso recém criada e clique em “Abrir com outro aplicativo”, na janela aberta indique o seu player preferido e clique nele. Eu prefiro abrir com o Reprodutor de filme, com ele pode-se ver o menu e os extras do filme, caso tenha. Para gravar: Coloque um disco virgem de dvd no gravador, cancele a janela indicando disco vazio, clique com botão direito sobre a imagem.iso e clique em “Escrever no disco” ou abra o Brasero e escolha Gravar imagem. Lembre-se de que o tamanho do arquivo a ser gravado esteja de acordo com a capacidade real da mídia, dvd simples 4.38 GB ou dupla camada de 7.95 GB. Normalmente esses arquivos são de filme ripados e seu tamanho é inferior a de um disco de DVD+/-R de 4.7 GB. Saiba que: Imagens.iso e o conteúdo da pasta VIDEO_TS também podem ser ripadas para qualquer tipo de dispositivo, para o PC, iPhone, Sony PSP e outros. O tamanho do arquivo ripado dependerá para qual dispositivo foi selecionado. Instale o OGMRip através da central de programas, este aplicativo é o mais fácil de usar e não precisa de muitos ajustes, tudo é feito com simples cliques do mouse.
Não vou colocar aqui um tutorial, apenas uma introdução ao programa. Certifique-se de que não tenha nenhum disco no gravador de CD/DVD e inicie o OGMRip. Na primeira tela, clique no botão “Load”, na próxima janela escolha uma das três opções: Unidade de DVD, Arquivo de imagem ou Estrutura de DVD, uma pasta abrirá, indique o arquivo e clique abrir. Próximo passo: Clique em “Load” para voltar a janela principal com tudo já configurado automaticamente, dê um nome e escolha o áudio e legenda, caso tenha mais de um. Clique em “Extract”, na janela aberta escolha uma das várias opções ou para qual dispositivo você quer ripar, clique em “Extract” novamente e aguarde. Demora um pouco, mas o resultado é muito bom, lembre-se: ripar mais de uma vez o mesmo arquivo, resulta em má qualidade
Boa diversão.

Valeu amigo!

Grande abraço.

Invalid VPN Secrets

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Olá.
Tive esse 'problema' recente. Ao tentar iniciar uma conexão VPN, recebia um alerta de 'Invalid VPN Secrets'.
Aparentemente nada havia sido alterado. Tentei recriar a conexão, mas não resolveu.

Pesquisando mundo afora, descobri que não é algo tão incomum. Vi diversas soluções, mas pra mim, a que resolveu foi remover (preferencialmente, renomeie) o arquivo /etc/ppp/options. Então seria assim:

sudo mv /etc/ppp/options /etc/ppp/options.old

Após isso, a conexão VPN passou a funcionar novamente.
Ao que tudo indica, o problema (ou conflito) ocorre após a instalação dos pacotes dos modems 3G e afins.

[]s

Referências: google, ubuntuforuns

Editor de texto Nano

Olá.
Vi esse artigo lá no Viva o Linux e achei bem bacana. Uma boa introdução ao Nano.

Como falei em uma dica recente, o site da Linux Foundation fornece uma enormidade de informações, úteis para qualquer nível do usuário. Com este artigo, estou iniciando uma série de traduções vinda dessa ótima fonte.

Um dos recursos no site de Linux Foundation são os tutoriais, claros e diretos. Como estão em inglês, trarei aqui versões livres para aqueles que preferirem o bom português.

No presente artigo, a fonte esta disponível aqui.

Nano é um editor que deve ser executado a partir de um terminal, e se concentra em simplicidade. Nano é um clone do antigo editor de texto Pico, o editor para o cliente de e-mail Pine, que foi muito popular lá pelos anos 90, em UNIX e sistemas do tipo UNIX. O Pine foi substituído pelo Alpine e o Pico pelo Nano, mas algumas coisas não mudaram - assim como a simplicidade de edição com o Nano. Veja uma imagem de terminal rodando o Nano:

Nano foi criado em 1999 com o nome de "TIP" (uma sigla, um acrônimo recursivo que significa "TIP Isn't Pine", ou "TIP não é o Pine") por Chris Allagretta. Allagretta decidiu criar este clone do Pico porque o programa não foi liberado sob a GPL. O nome foi mudado oficialmente em 10 de janeiro de 2000 para diminuir a confusão entre o novo editor e o comando "tip" (o comando "tip" é comum em Sun Solaris).

Nano usa combinações muito simples de teclas para trabalhar com arquivos. Um arquivo é aberto ou iniciado com o comando:

nano

Onde é o nome do arquivo que você deseja abrir. Ou, se você precisa editar um arquivo que somente o usuário root tem acesso, faça

sudo nano

Quando o arquivo estiver aberto no Nano, você verá uma pequena lista de exemplos de comando na parte inferior da janela do terminal. Veja na figura:

Todas as combinações de teclas para Nano começam com a tecla CTRL. Para executar um comando você deve manter a tecla CTRL pressionada e clicar na segunda tecla para executar a ação. As combinações mais comuns para Nano são:
CTRL-x - Sai do editor. Se você estiver no meio da edição de um arquivo, o processo de saída irá perguntar se você quer salvar seu trabalho.
CTRL-R - Ler um arquivo em seu arquivo de trabalho atual. Isso permite que você adicione o texto de outro arquivo enquanto trabalha dentro de um novo arquivo.
CTRL-c - Mostra a posição atual do cursor.
CTRL-k - 'recorta' o texto.
CTRL-U - 'cola' o texto.
CTRL S - Salva o arquivo e continua trabalhando.
CTRL-T - verifica a ortografia do seu texto.
CTRL-w - faz uma busca no texto.
CTRL-a- leva o cursor para o início da linha.
CTRL-e - leva o cursor para o fim da linha.
CTRL-g - mostra a ajuda do Nano.

Existem muitos mais comandos para usar no Nano. Para ver a lista de comandos, use o comando CTRL-g.

Instalação do Nano

Nem todas as distribuições vem com o Nano pré-instalado. O Ubuntu, por exemplo, tem ele instalado por padrão. Se sua distribuição não tem o Nano instalado, tudo bem, pois você vai encontrar o programa nos repositórios-padrão. Para instalar esta ferramenta tudo que você precisa fazer é seguir estes passos:

1. Abra o programa nativo de sua distribuição para procurar e instalar softwares.
2. Pesquise por "nano" (sem aspas).
3. Marque Nano para a instalação.
4. Clique em Aplicar para instalar.

Por: Cicero Juliao da Silva Junior

Canonical libera Ubuntu 10.10 Beta

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

A Canonical anunciou o lançamento da versão 10.10 Beta do Ubuntu, codinome "Maverick Meerkat". Esta versão beta será a única a ser lançada antes do lançamento da versão Release Candidate prevista para 30 de setembro.

O Ubuntu 10.10 Beta é baseado no kernel Linux versão 2.6.35-19.28 e 2.31 do ambiente desktop GNOME. Outras mudanças incluem controles de reprodução de música novos e vários pacotes atualizados , inclusive o ainda não lançado Firefox 3.6.9 do navegador web.

O Maverick Meerkat terá o Shotwell substituído pelo F-Spot e inclui também a versão 2.30.2 do cliente de email Evolution, que opera muito mais rápido que a versão incluída com na versão anterior do Ubuntu. O Gwibber foi atualizado para trabalhar com novo sistema de autenticação do Twitter "OAuth-only". O suporte para a instalação do sistema de arquivos btrfs está disponível, mas exige que o /boot esteja configurado com um sistema de arquivo diferente. Na próxima semana é esperado que a Central de Programas do Ubuntu, que agora oferece aos usuários a categoria "Destaque" e "O que há de novo" e um histórico de softwares que foram instalados ou removidos, estará também oferecendo determinados produtos para venda.

As outras variantes do Ubuntu também foram lançadas como betas, com o Ubuntu Netbook Edition funcionando agora com um desktop padrão Kubuntu, oferecendo uma única imagem de desktop para netbooks que instala o desktop Plasma apropriado de acordo com o tamanho da tela.

Os desenvolvedores lembram que os usuários, como acontece com todas as versões de desenvolvimento, utilizem essa versão Beta em ambientes de testes, pois seu uso em ambientes de produção não é aconselhável. No entanto, os usuários testando a versão são encorajados a fornecer feedback e relatório de todos os erros que encontrarem, para auxiliar nas melhorias do sistema.

Mais detalhes sobre o lançamento, incluindo uma lista dos problemas conhecidos, pode ser encontrada no anúncio de lançamento oficial e nas notas de lançamento. Uma lista de recursos planejados e as mudanças para a versão 10,10 do Ubuntu está disponível no Blueprints para Maverick. O Ubuntu 10.10 Beta está disponível para download a partir do web site do projeto. Usuários atualmente rodando Ubuntu 10.04 LTS em um sistema desktop poderão atualizar o sistema pressionando a tecla Alt + F2 e digitando update-manager-d na caixa de comando.

A versão estável final do Maverick Meerkat está programada para ser lançada em 10 de outubro de 2010 (10/10/10). A próxima versões prevista do Ubuntu será a versão 11.04 "Natty Narwhal", programado para lançamento em abril de 2011. A última versão estável do Ubuntu é a versão 10.04.1 LTS , codinome "Lucid Lynx", lançada em meados de agosto.

Fonte: H-Online, em inglês / Linux New Media

Como adicionar senha para um comando ssh

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Olá.

Como adicionar senha para um comando ssh? Diretamente ou sem usar um script adicional, eu não consegui (pelo menos, não tive tanto tempo pra descobrir).
Então, fui às pesquisas e encontrei a seguinte solução:

1º) Instalar o 'sshpass':

sudo aptitude install sshpass

2º) 'Chamar' o sshpass com o parâmetro '-p', mais a senha e seguir com o ssh (ou scp, que na verdade, era o meu objetivo).

Exemplo:

sshpass -p SENHA scp -rp ORIGEM USER@SERVER:DESTINO

Referência: linuxquestions.org